top of page
Buscar
  • Foto do escritorAdauto Silva

Escolas do grupo especial desfilam no Sambódromo e comemoram o retorno da festa popular

As oito agremiações se apresentaram na avenida do samba e disputam o título de campeã do Carnaval de 2023


Alegria e emoção, sentimentos que se unem ao Carnaval e são externados pelo público que, após dois anos de hiato, teve a oportunidade de prestigiar a maior festa popular do país, na capital amazonense. Espetáculos a céu aberto foram levados à avenida do Sambódromo de Manaus, neste sábado (18/02), no desfile das oito escolas de samba do grupo especial, na disputa pelo título de campeã de 2023. 

Ainda na área da concentração, a expectativa de quem sabia que o momento iria chegar, apesar da longa espera.  “Nesses dois anos, a gente pode ver que a vida nos proporciona várias coisas, mas com toda uma tristeza vem a alegria e, no caso, é o Carnaval”, comemora o ritmista Eduardo Sampaio. 


A maior das festas do Brasil, em Manaus, é promovida pelo Governo do Estado, por meio da Secretaria de Cultura e Economia Criativa. O secretário de cultura, Marcos Apolo Muniz, pontua as ações promovidas no Carnaval da Floresta, edição que busca criar uma nova identidade à festa, gerando pertencimento ao público. 


“Primeiro uma estrutura envolvendo todos os órgãos do estado que precisam atuar, como segurança pública, saúde. A outra é um investimento potencializado para que as escolas pudessem fazer um investimento maior na questão de geração de trabalho, emprego e a outra prepara o espaço que vem prestigiar o Carnaval”, pontua Apolo, destacando que, em fevereiro, mais de 20 mil postos de trabalhos foram gerados, movimentando a cadeia econômica no estado.  


“Um carnaval para se comemorar”, segundo a artista amazonense, Rosa Malagueta. “A classe artística vive disso, desse movimento cultural e Carnaval tem que ter artistas em todos os setores, tanto o cara que faz o carro, a fantasia e nós, atores, atrizes, cantores que estamos aqui festejando a cultura popular”, disse a artista. 

O público prestigiou e, na Passarela do Samba, as escolas fizeram o seu trabalho na disputa pela nota máxima. Nesta segunda-feira (20/02), será conhecida a campeã do Carnaval de 2023, na apuração às 14h, no Sambódromo. 


Confira as escolas de samba do grupo Especial de Manaus, que desfilaram neste sábado (18/02):  


Vila da Barra


A primeira escola da noite, Vila da Barra, retornou ao grupo das Especiais, narrando uma história imaginária sobre a descoberta da civilização secreta que habitava o coração da Amazônia. 


O enredo  “Ratanabá: O segredo milenar da Amazônia”, faz referência a uma cidade perdida que viralizou no mundo digital. As baianas carregavam um figurino semelhante às pirâmides e a bateria da Pegada da Onça se vestiu de ouro para comandar a escola do bairro da Compensa, com 27 anos de história. 


Primos da Ilha


Segundo a adentrar a Passarela do Samba, o Grêmio Recreativo Primos da Ilha contou a saga do imigrante Lusitano José Azevedo, que fixou morada em Manaus, em 1934, e aqui constituiu família e construiu um império empresarial no ramo do comércio.  O enredo “D’Além mar, o Amazonas conquistou! José Azevedo, o legado de um gajo sonhador TvLar, Manaus Plaza Shopping e TvLar Motos”  mostrou desde a infância até o legado deixado pelo portugês que se tornou amazonense.


Em 21 alas comandas pela bateria “Moleque atrevido”, apoiadas por quatro alegorias compostas por dois carros alegóricos: “O europeu encontra o caboclo amazônida”, “O senhor do tempo - Fachada do Hospital Beneficente Portuguesa”, mais os módulos alegóricos “A concha do mar esconde, na travessia do oceano, a pérola do Amazonas” e “Bolo de 59 anos”, a Primos da Ilha prestou sua homenagem a José Azevedo.

Um terceiro carro alegórico, intitulado  “Grupo TVLar com visão de futuro”, deveria ter entrado na avenida, mas enfrentou problemas técnicos na concentração e não conseguiu desfilar.


Andanças de Ciganos


A Andanças de Ciganos levou para o Sambódromo o enredo “Não deixe o samba morrer, não deixa a cultura acabar, o povo cigano clama: Salve a cultura popular”. A escola levou para a avenida a multiplicidade cultural do país, rituais, danças e festas. 


A escola da Cachoeirinha com 47 anos de tradição, apostou em 19 alas e alegorias grandiosas, como o quarto e último carro, “Celebrações festivas à padroeira”, medindo quatro metros de altura. Com 220 ritmistas, a bateria “Vai ou Racha”, do Mestre Félix, comandou o samba movido pela cultura popular. 


Reino Unido


O Grêmio Recreativo Escola de Samba Reino Unido da Liberdade, quarta escola a se apresentar, emocionou o público ao homenagear um ícone da cultura amazonense com o enredo “Bate forte o tambor, Furiosa! Eu quero é Tic, Tic, Tac! A Reino Unido abre as cortinas para Zezinho Corrêa”.


A vida, obra e trajetória artística de Zezinho Corrêa, que foi uma das vítimas da pandemia de Covid-19, foram retratadas em 27 alas e três alegorias: “Vestido de luz - O menino iluminado”, “O sonho em cena - Teatro (Tesc/ Sesc)” e “O Apogeu - Zezinho vive em nós. Bate forte o tambor!”. A bateria Furiosa ditou o ritmo que embalou os cerca de 3.200 componentes da escola.


Mocidade de Aparecida


A campeã de 2020, Mocidade Independente de Aparecida, entrou na avenida com o enredo “A Essência… A Seiva… A Fonte… Vitae”. A verde e branco levou o folião a uma viagem à formação do planeta Terra, ressaltando a importância da água na existência da vida. A verde e branco adentrou na avenida com a alegoria “Planeta Água a Girar - O Tempo Não Para”, com um telão em LED, interagindo com a comissão de frente. 


A Furiosa também fez críticas à poluição dos rios e lagos, representada na ala “De lixo! mares, rios e igarapés”. Formada por 230 ritmistas, a escola soma 43 anos de trajetória e se destaca com a bateria da Universidade do Samba, no comando de Mestre Lucas. 


A Grande Família


Em seguida, foi a vez do Grêmio Recreativo Cultural Escola de Samba A Grande Família desfilar o enredo “Eirunepé - O cordel amazônico”. A corrente migratória de nordestinos que se tornaram soldados da borracha no interior do Amazonas fundando, entre outros, o município de Eirunepé foi contada pela escola. 

A História de Eirunepé foi contada em 21 alas, com três carros alegóricos: “Um cordel de amor”, “Seringal Eiru” e “Eirunepé, a Joia da Floresta”. Um módulo alegórico na forma de um barco de recreio com o nome Comandante Amazonino foi incluído, em homenagem ao recém-falecido ex-governador Amazonino Mendes, um dos mais célebres filhos de Eirunepé. A bateria se fantasiou de “Barões da Borracha” para comandar o desfile com seu ritmo contagiante.


Unidos do Alvorada


A escola fez uma viagem pela história do fundador do Grupo Samel, Luiz Fernando Nicolau, que faleceu aos 74 anos, em 2020, vítima de complicações da covid-19. 


Com o enredo “Obu Manaó - O alvorecer da cura, sob as bênçãos do céu. Anauê, Samuel”, a nação alvoradense desceu a avenida distribuída em 18 alas para homenagear o médico que construiu carreira em Manaus, se dedicando à política e trabalhos humanitários. Os 220 ritmistas, da bateria Superação, deram o tom aos integrantes, que dividiram espaço entre as seis alegorias, sendo uma delas com integrantes da família do homenageado.  


Vitória Régia


Fechando os desfiles, o Grêmio Recreativo Escola de Samba Vitória Régia desfilou trazendo a causa da inclusão de Pessoas com Deficiência à avenida com o enredo “A nossa especialidade é ser especial - Por um mundo mais acessível e humano”.


As qualidades e talentos das Pessoas com Deficiência foram exaltadas em 21 alas intercaladas por quatro alegorias: “O princípio”, “Um universo prá lá de especial”, “Superação, triunfo e glória” e “O Futuro (mais humano)”. A bateria “Berço do samba”, encarnando “O som da vida”, deu ânimo aos integrantes da escola, que desfilou já na manhã de domingo.

0 comentário

Comentarios


bottom of page