top of page
Buscar
  • Foto do escritorAdauto Silva

Com apoio do Governo do Amazonas, estudo identifica diminuição da emissão de carbono em períodos de

A pesquisa é apoiada pelo Programa Prodoc, da Fapeam 

 

Estudo apoiado pelo Governo do Amazonas, por meio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas (Fapeam), analisa a emissão de carbono durante os períodos de seca e verifica que as florestas localizadas em lençol freático superficial, com profundidade menor que 5m, emitem menos carbono para atmosfera do que aquelas mais profundas. 

O projeto científico intitulado “Refúgios hidrológicos na Amazônia: o papel das florestas sobre lençol freático superficial na mitigação dos efeitos de secas intensas” é desenvolvido pela doutora em Biologia, Thaiane Rodrigues de Sousa, da Coordenação de Biodiversidade (CBio) do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa), e amparado via Programa de Apoio à Formação e Qualificação de Doutores (Prodoc/Fapeam). 

Ainda em andamento, a pesquisa identificou que não apenas a profundidade média do lençol freático modifica os efeitos das secas, mas também há um impacto da flutuação temporal do lençol freático. 


As consequências do efeito estufa são observadas durante o ‘El Niño’, ocorrido em intervalos irregulares (entre 5 e 7 anos), com intensas alterações meteorológicas, onde se observam secas em algumas áreas e aumento de chuvas em outras. Quando esse fenômeno ocorre, o volume de chuvas fica menor, assim, o lençol freático funciona como uma importante fonte de água.  


Os resultados encontrados demonstraram que as florestas onde a flutuação do lençol freático ao longo do ano é mais alta, ocorre também o menor crescimento de árvores e a maior mortalidade de biomassa, ou seja, a matéria orgânica originada dos restos de animais e vegetais, sendo utilizada como fonte para a geração de energia.  

“Ampliamos o conhecimento anterior sobre a importância da profundidade do lençol freático para as respostas da Floresta Amazônica às secas intensas, que era apenas local, para uma escala de toda a bacia amazônica. Além disso, mostramos que não apenas a profundidade média do lençol freático modifica os efeitos das secas, mas também há um impacto da flutuação temporal do lençol freático”, disse a doutora em Biologia, Thaiane Rodrigues de Sousa. 


As descobertas contam com a colaboração de pesquisadores do Programa de Pesquisa em Biodiversidade (PPBio) e da Rede Amazônica de Inventários Florestais (Rainfor), duas grandes redes de monitoramento de parcelas permanentes sul-americanas. 


O estudo aponta ainda que para se ter uma melhor análise da situação é necessário avaliar não somente fatores de profundidade e flutuação do lençol freático, mas também outras variáveis do ambiente, como a textura, temperatura, déficit hídrico climatológico e fertilidade do solo, ligados ao desenvolvimento da floresta.  

“Florestas sobre lençol freático superficial não apresentaram aumento na mortalidade de caules e de biomassa lenhosa durante este período. Já florestas localizadas em lençol freático com profundidade entre 5 e 10m apresentaram elevada mortalidade de caules e de biomassa”, reforçou Thaiane Sousa.  


Esses dados significam que houve uma mudança líquida de carbono negativa, ou seja, estas florestas atuaram como fontes de carbono para atmosfera durante este período. O cenário demonstra a importância da conservação das florestas e das áreas de lençol freático superficial, com a finalidade de compensar as emissões de carbono para a atmosfera e reduzir os efeitos das mudanças climáticas. 


Apoio da Fapeam 

O estudo recebe apoio por meio do Edital n° 003/2022, Prodoc/Fapeam, que concede bolsas de pós-doutorado no país e no exterior a interessados, residentes no estado do Amazonas, para desenvolver projetos de pesquisa que visem contribuir significativamente para a ampliação da ciência, tecnologia e inovação em todas as áreas do conhecimento. 


“O apoio da Fapeam está sendo essencial para a realização da minha pesquisa, pois é através dele que consigo me dedicar em tempo integral para o desenvolvimento das análises, escrita do artigo científico, e em breve, divulgação dos resultados para a sociedade e órgãos públicos”, reforça a coordenadora do estudo.

0 comentário

Commentaires


bottom of page