Buscar
  • Adauto Silva

R$ 65 mil por uma vida: Após a traição o sargento foi morto,o matador preso e os mandantes liberados

Atualizado: 25 de nov. de 2021




Investigações da Polícia Civil chegaram a comprovação de que pós a traição a mulher se aliou com o marido e juntos encomendaram a morte do empresário e sargento do Exército Lucas Ramon Silva Guimarães, que teria tido um caso amoroso e envolvimento financeiro com a mulher de empresário.



O casal Joabson Agostinho e Jordana Azevedo, donos da rede de supermercado Vitória, principais suspeitos de encomendarem a morte do Sargento tiveram o sigilo telefônico quebrado e foram presos. Em 12 de novembro apesar das evidências o casal foi colocado em liberdade pela Justiça.



Investigações da Policia e a oferta de recompensa para que desse informação do matador, oferecida pela família da vítima, motivaram inúmeras denúncias que contribuiram para a prisão do Pistoleiro.

Preso Silas Ferreira da Silva, confessou que teria recebido R$ 65 mil para executar o crime passional ligado aos proprietários do Supermercado Vitória.


O dinheiro pago pela vida do sargento foi gasto por Silas para comprar uma moto, de R$ 5 mil, e o restante teria sido gasto com festas, bebidas, drogas e farras.


O pistoleiro tem no currículo criminal, preso quatro vezes, sendo duas por roubo, uma por tráfico de drogas e outra por ameaça e “vias de fato”. A ficha policial é extensa e por duas vezes registra que ele apontou arma de fogo e fugiu em motocicleta.


O crime ocorreu no dia 1º de setembro. A polícia suspeita que Silas tenha sido o homem que entrou na lanchonete, perguntou pelo sargento, puxou o revólver, disparou três tiros, matou e saiu tranquilamente na moto


De acordo com a polícia, o preso pertence a uma facção criminosa, de quem recebeu proteção durante o período que ficou escondido. Ele foi detido na casa da mãe, na Colônia Antônio Aleixo.cordo com a polícia, o preso pertence a uma facção criminosa, de quem recebeu proteção durante o período que ficou escondido. Ele foi detido na casa da mãe, na Colônia Antônio Aleixo.

Segundo depoimento de Silas, todo o material usado no crime – roupas, arma, veículo – foram cedidos por um intermediário dos mandantes do crime e devolvidos ao mesmo. Silas não soube informar onde estaria a arma.

A polícia segue na investigação para fazer a ligação do executor e os possíveis mandantes.


O casal suspeito e agora acusado pelo pistoleiro foi preso e só conseguiu retomar a liberdade com habeas corpus obtido no Superior Tribunal de Justiça (STJ). Até então o casal deve responder pela acusação em liberdade. Agora é esperar pra ver em que vai dar esse triângulo amoroso que resultou em uma morte, e um homem preso, após fariar três meses com o dinheiro do pagamento do crime.


0 comentário